O papel do EPG na melhoria de processos - Blog CMMI & MPS.Br

O papel do EPG na melhoria de processos

By on March 8, 2012

O EPG (engineering process group) é um grupo de engenharia de software que tem por objetivo manter os processos vivos na organização. Uma das tarefas de se “manter os processos vivos” é a busca pela melhoria contínua e talvez está seja a principal tarefa do EPG, todavia para se melhorar os processos é preciso primeiramente conhecer os mesmos.

O EPG conhecendo os processos

Conhecer os processos implica primeiramente em ter processos padrão para o desenvolvimento de software. Uma boa forma de clarificar o conhecimento dos processos é elaborar um diagrama do processo colocando todas as suas atividades, insumos e produtos gerados. Com este diagrama, o EPG pode facilmente buscar a melhoria contínua e melhoria dos processos.

O EPG deve fazer um comparativo entre o processo definido e o processo real (executado normalmente pela equipe). Isto pode ser conseguido através de entrevistas com a equipe que executa o processo no dia-a-dia.

Ouvir é uma excelente oportunidade de melhoria contínua

Encontrar as melhorias certas muitas vezes é mais fácil do que pensamos. O EPG deve aprender com as pessoas que executam o processo no dia-a-dia, pois por praticarem o processo diáriamente elas sabem o que atrapalha, quais problemas enfrentam e muitas vezes o que seria preciso para a melhoria contínua de seu trabalho. Assim, através de entrevistas o EPG poderá identificar o que atrapalha e retirar barreiras.

Melhoria contínua e a importância de indicadores para o EPG

Muito se fala sobre melhoria contínua e melhoria de processos, e constantemente você ouve alguém dizer que um determinado processo foi melhorado, agora a pergunta é: Em quantas destas melhorias o EGP viu um indicador atrelado provando que o processo foi melhorado? Pois é, a maioria das pessoas implementam pseudo-melhorias e não medem se elas trouxeram benefícios de fato. Nem é muito o papel delas, mas é o papel do EPG apoiar o processo de melhoria contínua. Muitas vezes o EPG percebe que houve apenas uma percepção de melhoria, mas não uma melhoria de fato, ou quem sabe, a melhoria foi mínima.

O EPG deve ter sempre em mente que, em todos os casos devemos ter um indicador associado justamente para verificar se houve ou não melhoria e se houve, qual o tamanho da mesma.

Como exemplo: Imagine que a qualidade da sua equipe de desenvolvimento não está boa, constantemente os programas são entregues e retornam com muitos erros. São implementadas diversas melhorias e a equipe tem a sensação de que o processo melhorou. Você só saberá se o processo melhorou realmente se houver algum indicador associado. Deve-se dar um número ao “muitos” como por exemplo “15 erros para cada mil linhas de código produzidas”. Você só saberá que houve melhoria de processos se o novo número for bem menor que o número anterior, mas pra isso é necessário conhecer o número anterior e o novo número.

E por fim… a melhoria contínua

Por último podemos dividir a melhoria contínua em dois momentos: No primeiro são as melhorias de processo padrão, o segundo são as chamadas melhorias contínua de alta maturidade. Este último é um termo usado pelo EPG.

As melhorias de processos são como as citadas anteriormente. Deve-se conhecer o desempenho de um determinado processo, identificar os principais problemas, definir melhorias para tratar estes problemas e executar o novo processo em um projeto piloto. Na sequência o EPG deve medir o novo processo e e verificar se as melhorias realmente surtiram efeito. Se houve melhoria de fato, o EPG pode implementar o processo em larga escala.

Já as melhorias conhecidas como “melhorias de alta maturidade” devem ter projetos de melhoria também de alta maturidade associadas. Normalmente são projetos Six Sigma e este tipo de melhoria analisa mais a fundo o processo e os fatores que o influenciam. São realizados diversos testes estatísticos, simulações de cenários, testes de hipóteses e outros. Estas melhorias normalmente trazem mais resultados por serem mais precisas e confiáveis e são as melhorias utilizadas no CMMI 4 e CMMI 5.

Enfim, podemos ver que o EPG não só pode mas deve ajudar e incentivar a melhoria de processos e consequentemente a melhoria contínua.

About Washington Souza

Black Belt, Washington Souza tem mais de 10 anos de experiência com gestão. Participou de implantações em todos os níveis CMMI e MPS.Br A. Gosta muito de Six Sigma e gestão como um todo.

One Comment

  1. Frederic Natoli

    April 16, 2017 at 6:55 pm

    Thanks a lot for the article.Thanks Again. Want more.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.