Dez mitos sobre as práticas genéricas - Blog CMMI & MPS.Br

Dez mitos sobre as práticas genéricas

By on June 14, 2010

Antes de iniciarmos, temos que ter em mente que as práticas genéricas são elementos mandatários do CMMI e seu objetivo central é a institucionalização, mas… o que é institucionalização?

O CMMI define como institucionalização: “A maneira de se fazer negócios que uma organização segue rotineiramente como parte de sua cultura corporativa”. Em outras palavras, o jeito que as coisas são feitas aqui.

Diversos elementos podem atrapalhar a implementação das práticas genéricas como menosprezar a importância da institucionalização, foco apenas nas práticas específicas ou até mesmo sub-estimar o tempo e esforço necessário para sua implementação.

Vamos falar da Generic Goal 2:

  • GP 2.1 Estabelecer uma política organizacional
  • GP 2.2 Planejar o processo
  • GP 2.3 Prover recursos
  • GP 2.4 Atribuir responsabilidades
  • GP 2.5 Treinar as pessoas
  • GP 2.6 Gerenciar configurações
  • GP 2.7 Identificar e envolver stakeholders relevantes
  • GP 2.8 Monitorar e controlar o processo
  • GP 2.9 Analisar aderência objetivamente
  • GP 2.10 Revisar o status com a alta direção

Mitos sobre práticas genéricas

GP 2.1 Mito 1: “Tudo que precisamos fazer é escrever algumas políticas e pedir para o CIO assina-las”

  • As políticas podem virar um papel que nunca ninguém irá ler
  • As políticas devem definir claramente o que deve ser feito
  • Se as políticas documentarem o que a alta gerência realmente acredita ser importante, as chances delas serem seguidas aumentam considerávelmente.

GP 2.2 Mito 2 “Um plano para cada área de processo”

  • O perigo dos infinitos planos “Aqui esta o plano para coletar as métricas de PPQA”
  • O planejamento apropriado deve ser realizado para cada área de processo envolvido
  • Garantir tempo, esforço e custo suficiente para executar as tarefas necessárias para realizar cada processo

GP 2.3 Mito 3: “Esta prática e apenas para garantir que teremos pessoas suficientes”

  • O risco de focar apenas em pessoas: “Nunca teremos pessoas suficientes”
  • Recursos INCLUEM custo, instalações, ferramentas e obviamente pessoas
  • “Recursos adequados” quer dizer que o processo pode ser seguido naturalmente sem restrições de custo, prazo ou pessoas

GP 2.4 Mito 4: “As pessoas não precisam da descrição de seu serviço”

  • Não assuma que as pessoas compreenderam suas responsabilidades e nível de autoridade
  • Defina claramente papéis e responsabilidades que alinhem as pessoas ao serviço realizado
  • Faça as pessoas compreenderem seus papel e defina a autoridade necessária para realizar seu trabalho

GP 2.5 Mito 5: “Todo mundo precisa ser treinado em todos os processos”

  • Não desperdice esforço em treinamentos desnecessários
  • Treine as pessoas … conforme a necessidade
  • Estabeleça o entendimento comum sobre a área e necessidades de treinamento
  • Define claramente as habilidades e conhecimento necessários para se realizar um trabalho

GP 2.6 Mito 6: “Não há necessidade de baseline de documentos”

  • Pode ser vista como burocracia desnecessária: “Se nunca temos basenine de nada, não perdemos tempo com solicitações de mudanças”
  • O tipo de controle deve ser apropriado ao tipo de produto
  • A integridade dos produtos de trabalho é mantida, assim como a versão atual esta disponível para o público adequado

GP 2.7 Mito 7: “As pessoas que precisam estar envolvidas sabem quem são”

  • Definir os stakeholders certos pode ser dificil: “O problema deste projeto é que a pessoa que conhece o negócio não esta disponível”
  • Defina os Stakeholders RELEVANTES
  • Garanta que as pessoas que precisam ser envolvidas estão engajadas no projeto a fim de previnir atividades paralelas que possam prejudicar o projeto

GP 2.8 Mito 8: “Precisamos coletar métricas para cada área de processo”

  • Risco de definir métricas que passam uma falsa impressão do performance do projeto
  • O desempenho de um processo deve ser acompanhado contra o planejado
  • Os processos precisam ser acompanhados para garantir a entrega no tempo certo e garantir que potenciais desvios foram identificados e endereçados corretamente

GP 2.9 Mito 9: “O gerente garantiu que todo mundo segue o processo”

  • A objectividade requer um certo grau de independência
  • Garanta uma cobertura razoável da organização (uma amostra com representatividade): “Semana passada tivemos uma auditoria ISO neste projeto, nesta semana será uma auditoria CMMI e na próxima uma de PPQA”
  • Isto não deve ser apenas um papel de policiamento do processo; deve fornecer insumos valiosos para a melhoria do processo e torna-lo mais fácil e efetivo

GP 2.10 Mito 10: “A alta administração não esta nem ai para o processo”

  • Eles estão, pode ter certeza
  • A alta administração deve fornecer uma linha direta para escalonamento de defeitos no processo
  • A alta administração deve fornecer uma linha de contato direto
  • A alta administração deve estar comprometida com o processo
  • A alta administração deve garantir que as políticas estão sendo seguidas

E… porque as práticas genéricas são importantes?
Elas garantem a institucionalização através de elementos como:

  • Políticas que devem ser respeitadas e seguidas por todos
  • Todas as atividades do processo são planejadas e recursos são disponibilizados para sua execução
  • As pessoas compreendem suas responsabilidades e seu nível de autoridade
  • As saídas dos processos são controladas
  • Os stakeholders são envoldidos
  • O processo é monitorado dia-a-dia
  • O processo é revisto de forma independente
  • A alta direção tem visibilidade do processo

About Washington Souza

Black Belt, Washington Souza tem mais de 10 anos de experiência com gestão. Participou de implantações em todos os níveis CMMI e MPS.Br A. Gosta muito de Six Sigma e gestão como um todo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.