APF – Análise de Pontos por Função ou UCP – Use Case Points? - Blog CMMI & MPS.Br

APF – Análise de Pontos por Função ou UCP – Use Case Points?

By on March 30, 2012

Em algum momento você já deve ter ouvido a seguinte pergunta: “O que é melhor usar: APF – Análise de Pontos por Função ou UCP – Use Case Points?”

Para responder esta pergunta vamos conhecer um pouco sobre o que é estimativa de software propriamente dita. Da mesma forma que estimamos o tamanho de uma casa, também estimamos o tamanho de um software e enquanto na construção civil a unidade de medida comum é metros por quadrado, em software temos várias medidas e infelizmente ainda se usa muito a medida de horas.

Utilizar horas como medida é ruim pois não se tem idéia do tamanho do produto, apenas o volume de esforço do trabalho. Imagine agora utilizar a medida “horas” na construção de sua casa?

Todavia o mercado tem amadurecido e várias empresas já fecham seus contratos com base em uma unidade de medida de software e para responder a pergunta deste artigo vamos conhecer um pouco mais sobre APF – Análise de pontos por função e UCP – Use Case Points.

Um pouco sobre APF – Análise de Pontos por Função

A medida de Pontos por Função ganhou força em 1986 com a criação do grupo internacional de usuários de pontos por função conhecido mundialmente como IFPUG. O número de adeptos cresceu e em 2002 a Análise de Pontos por Função (APF) se tornou um padrão reconhecido pela ISO – ISO/IEC 20926.

A estimativa de software utilizando APF (Análise de pontos por função) deve ser realizada com base em como será o sistema segundo a visão do usuário. Simplificando podemos dizer que deve-se conhecer todos os elementos do sistema como funções, arquivos, relatórios e outros. O conjunto de elementos do sistema é classificado de acordo com as regras de contagem da APF e na sequência chega-se ao tamanho do sistema que é um número assim como metros por quadrado em uma casa.

A existência de casos de uso pode agilizar consideravelmente a estimativa do tamanho do sistema em APF.

A Análise de Pontos por Função é atualmente a métrica mais utilizada em software, sendo base para diversos contratos incluindo governo. Muitas empresas tem investido fortemente em obter dados de produtividade mais precisos analisando seus projetos passados para conhecer sua real produtividade nas mais diferentes linguagens. Como exemplo a ISBSG mantém uma base de dados de mais de 4.000 projetos, em sua maioria estimados utilizando APF.

Um pouco sobre UCP – Use Case Points

A métrica UCP (Use Case Points) foi criada por Gustav Karner em 1993 como uma variação de APF, mais tarde Karner foi trabalhar na Rational que aparentemente não teve interesse em investir em sua métrica de estimativa. Mesmo assim, a métrica ganhou força com aumento do uso de casos de uso.

Está técnica foi analisada por diversos estudiosos e em 2001, um paper escrito pelo professor Bente Anda da Universidade de Oslo concluiu que embora UCP possa sim ser utilizada na estimativa de software, os diferentes estilos de elaboração de casos de uso pode impactar significativamente no número de UCP’s.

APF x UCP

A contagem em UCP pode variar de organização para organização e de pessoa por pessoa de acordo com o estilo de cada um. Como não há uma padronização na elaboração de casos de uso, um mesmo sistema pode ter 200 UCPs para uma empresa e 300 para outra e nenhuma destas empresas errou na contagem. A contagem em APF utiliza critérios claros e precisos, tanto que a mesma se tornou um padrão ISO, por este fator, a variação tem sido bem reduzida e normalmente pode falha de entendimento de um determinado requisito ou o uso incorreto da técnica.

Segundo Marcio Aguiar, referência em APF no Brasil e no mundo, em 2002 o google retornava 60 vezes mais resultados do termo “function points” contra o termo “use case points”. Fazendo está mesma análise hoje o resultado é de 25 pra um, mostrando que ainda há muito mais artigos e citações sobre APF do que UCP.

Recomendações

De uma forma objetiva recomenda-se mais o uso de APF contra UCP devido a fatores como estes:

  • A técnica de APF é mantida por uma organização internacional (IFPUG) desde 1986;
  • A técnica de APF é largamente utilizada por diversas empresas;
  • A maioria das consultorias de TI utiliza APF;
  • Há muito mais consultorias para suportar o uso de APF do que UCP;
  • Há diversos profissionais certificados em estimativas APF no mundo;
  • APF é um padrão reconhecido pela ISO;
  • A maioria dos contratos com governo são baseados em APF;
  • A variação nas estimativas em APF é bem menor que as estimativas utilizando UCP.

Enfim, ambas são técnicas para estimativa de software e buscam o mesmo objetivo e infelizmente a variação de estilos pode comprometer as estimativas em Use Case Points.

About Washington Souza

Black Belt, Washington Souza tem mais de 10 anos de experiência com gestão. Participou de implantações em todos os níveis CMMI e MPS.Br A. Gosta muito de Six Sigma e gestão como um todo.

One Comment

  1. Benny Lattner

    April 16, 2017 at 7:16 pm

    I really liked your post. Much obliged.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *