Conheça a qualidade do código com apenas um teste - Blog CMMI & MPS.Br

Conheça a qualidade do código com apenas um teste

By on March 15, 2012

Olá pessoal, hoje em dia temos um problema grave no desenvolvimento de software que é a qualidade dos códigos gerados. Para ajudar, parece que nossos desenvolvedores tem “esquecido” que seu código deve ter qualidade.

Conversando com um amigo dias atrás chegamos a triste conclusão que muitas vezes os programadores se aproveitam que há uma equipe de testes e entregam os códigos incompletos ou cheios de bug. Isto se dá principalmente por causa da pressão de entrega pois com isso o programador realiza a entrega dentro do prazo e “ganha um tempo” para corrigir ou completar o código.

Essa prática acaba aumentando o custo por vários fatores como o trabalho adicional do programador (não previsto), as idas e vindas dos cógidos e o trabalho das equipe de testes que não deveria ser iniciado até ter um determinado nível de qualidade. Então o que fazer?

Bom, primeiramente não precisamos reinventar a roda, a industria já tem uma prática para eliminar isto há pelo menos 50 anos. Básicamente consiste em analisar um pedaço do “lote”, ou seja, avaliar a qualidade de uma amostra do total de programas recebidos.

Vejamos um exemplo prático:
A equipe de desenvolvimento vai liberar 20 programas para serem testados. Como você não sabe o que está vindo (código bom ou código ruim e incompleto), então pode-se pegar uma amostra e testar.

Neste caso, poderiamos pegar dois a quatro programas e tomando-se por base que a empresa tem um índice de qualidade definido tal como erros por pontos por função ou erros por kloc, então pode-se avaliar se a qualidade dos programas da amostra atendem o mínimo esperado. Imagine que o critério de qualidade aceitável é 0.5 erros por pontos por função e o índice encontrado foi de 0.9, a equipe de testes deve então “recusar o lote”, ou seja, voltar os programas para a equipe de desenvolvimento. O desenvolvimento deve verificar o porque da qualidade tão ruim e só após as correções, enviar para testes novamente.

Um ponto importante é que na “nova passagem” sejam testados outros programas que não os que já vieram. Assim seu teste conseguirá verificar a qualidade real do conjunto de programas.

É uma prática simples, mas que pode trazer grandes resultados, primeiramente porque não se trabalhará em algo se não houver uma qualidade mínima e segundo que a prática de se entregar algo inacabado perderá força.

About Washington Souza

Black Belt, Washington Souza tem mais de 10 anos de experiência com gestão. Participou de implantações em todos os níveis CMMI e MPS.Br A. Gosta muito de Six Sigma e gestão como um todo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.